Biutiful – morte e redenção

Biutiful, do mexicano Alejandro Gonzalez Iñárritu, é um drama sobre amor, paternidade, culpa, redenção e morte.
O diretor nos apresenta Uxbal – Javier Bardem – um homem em conflito, imerso em uma história circular.
No filme, Uxbal é pai de dois filhos, dos quais tem a guarda, pois a ex-mulher, Marambra, é instável e promíscua. Além disso, Uxbal tem câncer de próstata e está à beira da morte.
Em paralelo, entram na trama o trabalho escravo, imigrantes ilegais chineses e senegaleses, a corrupção policial, a produção e o comércio de produtos falsificados.
Iñárritu mistura elementos diversos e tece, de maneira honesta, encontros e desencontros entre questões subjetivas e as combina a aspectos existenciais em cidade como Barcelona.
Biutiful é de chorar e arrepiar. Toca o coração, pois move sentimentos como compaixão, perdão, guiando-nos, ao lado do protagonista, por um caminho de amor, (auto)entrega e redenção.
Por vivermos em uma época que destina cada vez menos espaço para falar da morte, das perdas, das dores, do luto, neste filme o morrer está visceralmente denunciado e exposto. Particularmente, após o filme, aflorou em mim um trecho outrora lido e esquecido:

“Tenho medo de morrer”, disse a folha a Daniel. “Não sei o que tem lá embaixo”.
“Todos temos medo do que não conhecemos. Isso é natural”, disse Daniel para animá-la. “Mas você não teve medo quando o verão se transformou em outono. Eram mudanças naturais. Por que deveria estar com medo da morte?” (Leo Buscaglia, História de uma folha).

Biutiful vale a pena. Chore (ou se revolte), se for o caso. Iñárritu expõe a morte e a põe nua em uma Barcelona periférica, suja, grudenta, sombria. Além disso, a atuação excepcional de Bardem, no papel de Uxbal, gradualmente ilumina a morte como um fato natural e parte da vida.

Sinopse
Catalunha. Uxbal (Javier Bardem) coordena vários negócios ilícitos, que incluem a venda de produtos nas ruas da cidade e a negociação do trabalho de um grupo de chineses, cujo custo é bem menor por não serem legalizados e viverem em condições precárias. Além disto, ele possui o dom de falar com os mortos e usa esta habilidade para cobrar das pessoas que desejam saber mais sobre seus entes que partiram há pouco tempo. Uxbal precisa conciliar sua agitada vida com o papel de pai de dois filhos, já que a mãe deles, Marambra (Maricel Álvarez), é instável. Até que, após sentir fortes dores por semanas, ele resolve ir ao hospital. Lá descobre que está com câncer e que tem poucos meses de vida. (Fonte: Adorocinema)

Eugênia Pickina

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s